Thursday, April 22, 2010

Villa da Macumba


Villa curtia mesmo era um bom saravá!! Olha só o charutão do homem!!

Villa Lobos, nosso maior músico era um daqueles "meninos" - tais como Pixinguinha, Donga e outros bambas - que frequentavam a casa de Tia Ciata, mãe de santo famosa no Rio. Bom, é claro que ninguém divulga isso, mas nós não podemos ficar calados frente à essa ignomíniosa questão e botamos o berro, pois muitas de nossas maiores pérolas musicas surgiram ali, no terreiro da Yiá Omin.

Mestre Villa possui em seu repertório belíssimos cânticos inspirados nas melodias de terreiro e nos cânticos religiosos de nossas Umbandas, Candomblés, Encantarias etc.

Xangô é um canto de macumba escrito em 1919, com texto de autor desconhecido. É uma das Canções Típicas Brasileiras de Villa-Lobos e integra o segundo volume de Canto Orfeônico, coletânea de marchas, canções folclóricas e hinos, publicada em 1950 e destinada à educação musical. A primeira execução desta obra foi em 1930, em Paris, sob regência de Villa-Lobos.

Aqui ouvimos essa maravilha com o coral da Osesp:


Para ouvir "Xangô" clique abaixo:







Em 2000 fomos convidados a participar - tocando percussão: congas, apito, cowbell, blocks, bumbo, pratos e carrilhão - de uma apresentação com o Coral e a Orquestra de São José do Rio Preto, numa homenagem a Villa Lobos. Encontramos em nossos arquivos a gravação daquele dia (que pensávamos ter perdido). "Estrela do céu é Lua Nova" é uma das mais conhecidas canções "macumbísticas" de Villa Lobos.
Saravá Villa Lobos!!


Para ouvir "Estrela do céu é lua nova", clique abaixo:





6 comments:

Anonymous said...

Parabens pelo acervo e especialmente por sua inteligência e sensibilidade em ver a Umbanda (e afins) presente em tudo e em todos lugares.

Aranauam

Sérgio

Yan Kaô (Obashanan) said...

Desconsidere minha inteligência, Sérgio. Não vê quem não quer, que a Umbanda e os cultos brasileiros, de raiz são a expressão inicial de quase tudo que fazemos em nossa terra. A Música Popular Brasileira talvez seja a maior tributária disso. Sensibilidade e inteligência pertence aos antigos (tais como o mestre Villa Lobos), que em dias muito mais difíceis que hoje, preservaram tanto patrimônio cultural que muitos - esses sim, asnos - insistem em não ver, ou ainda, pretendem anular, tais como os evangélicos e outros que tais...

Um abraço e volte sempre!!

Ayan Irê Ô!

Luiz Assunção said...

Amigo, que bom ver todas essas notícias maravilhosas... fico muito contente pelo trabalho que vc vem fazendo. Grande abraço. Luiz Assunção.

d[^_^]b said...

Yiaaaaaan, parabéns a contento, vice? rsrsrs. Minha felicidade se completa esmiuçando esse blog. uahuauha. Só os loucos por arte, em especial A música, entendem o q quero dizer.
Fenukóoo, meu querido!

Yan Kaô (Obashanan) said...

Mestre Luiz, meu trabalho é um grão de areia nessa praia da Umbanda. Sou só um homem só, que tenta correr contra o tempo prá fazer alguma diferença prá nossa comunidade. Nada comparado ao seu trabalho basilar de fazer muitos de nós - gente do santo e fora dele - com outros olhos os cultos da Jurema e do Catimbó, por tanto tempo considerados "bizarros", "negativos" e outros epítetos menos educados. Fazer justiça é isso. O que faço é, além de tudo, curtir muito toda essa música makumbal, que adoro demais!!! Abraço!!

Yan Kaô (Obashanan) said...

Dona d[^_^]b do V.I.P.!! Obrigado pela presença e quando vier aqui, comente! E comente com seus amigos macumbeiros e aqueles outros lá, mesmo evangélicos, que curtem rap e funk e que se esqueceram que da mãe África e dos grandes espíritos dos Orixás, Inquices e Voduns foi de onde saiu aquele grito Gospel! Aleluia!! Aláfia!!