Wednesday, August 10, 2011

Lançamento Ayom: Índios Karibokas - Adupe Mi Nhanderu

01. Tupa Doba; 02. Agradecimento a Oduwa; 03. Agradecimento a Deus da terra; 04.Hino dos Karibokas; 05. Lá vem o Urukã; 06. Pajelança com Pajé Morungá; 07.Adupe Mi Nhanderu; 08. Tie Teramori; 09. Irapuã ajuda Makunã; 10. Hino dos voluntários; 11. Karibokas do Brasil; 12. Caboclas; 13. Nós somos da aldeia do Tupã; 14. Laguna na Aldeia; 15. Somos índios Karibokas; 16. Canto de Guerra; 17. Canto de enterro;



Para nós da Ayom Records, foi uma grata e maravilhosa supresa quando soubemos da existência de uma tribo indígena que praticava a Umbanda e que era formada por indivíduos mestiços.

Porque a história do Movimento Umbandista possui um foco muito evidente e direcionado às matrizes africanas (tais como as Umbandas conhecidas como Omolokô, Umbanda Traçada, Umbandomblé, Candomblé de Caboclo e outras) ou européias (Umbanda Cristã, a Umbanda de Zélio de Morais, Umbandek, Umbanda Branca, etc).

Há pouquíssimas evidencias da matriz indígena da Umbanda, além dos ritos conhecidos como encantarias: Juremas e Catimbós, que apesar de terem nomes diferentes possuem uma ritualística muito próxima da Umbanda que se pratica em todo o Brasil.

A Umbanda é mestiça. Os Karibokas são mestiços. E que embora mestiços, não abrem mão de sua ascendência e resistência indígena. É interessante ouvir seus rituais e observar pontos clássicos dos terreiros cantados com Maracás e na batida característica dos povos indígenas, com o pé no chão e o cântico monocórdico. Além dos Maracás se utilizam de atabaques tocados em ritmos como o Toruá, Ijexá e Arrebate. Falam o dialeto Orubak, língua também mestiçada de Tupi, português e yorubá.

O Pajé Laguna dá um grande exemplo de dedicação e força no comando de sua tribo e na condução dos rituais e cânticos de sua tradição da vertente de Umbanda que pratica, que possui muito mais que 100 anos de idade.

Neste primeiro volume, apresentamos os cânticos tradicionais desse povo que traz uma aproximação evidente com outras tradições religiosas do Brasil, utilizando palavras e ritmos que existem nos cultos das nações Nagô e Angola. Seus cânticos contam a história de seus antepassados, por onde passaram, por onde viveram, suas guerras e seus mortos. Cantam para seus protetores, os índios das matas e seus guardiões.

Num segundo volume, traremos um ritual ao vivo da chamada Umbanda Nata ou Nativa. Um registro raríssimo desse braço da Umbanda que é, antes de tudo, mestiça, mas que possui sua direção e sua estrela nas entidades brasileiríssimas de nossos terreiros, nossos Caboclos!

E salve os Karibokas!

William de Ayrá (Mestre Obashanan)


Gravado nos estúdios Caipira Urbano: (11) 2877-8642 - Técnico; Zé Márcio


Para ouvir a faixa 14, "Laguna na aldeia", clique abaixo:





Saturday, June 25, 2011

Rito de Xangô 2011 - TEV - Templo da Estela Verde





Completamos 14 anos de homenagens ao Orixá Xangô em nosso templo, situado em São José do Rio Preto. As cinco últimas louvações foram feitas de portas abertas a todos os irmãos das religiões afro-brasileiras e cada vez mais conseguimos estreitar os laços eternos da amizade e da espiritualidade. Convidamos a todos, mais uma vez, a participarem de nosso rito, no dia 02 de julho de 2011, às 20:00, no TEV - Templo da Estrela Verde, a casa de Xangô Ayrá, situado na cidade de São José do Rio Preto, na Rua Pepino Agrelli, 849 - Jd. Vetorazzo. Tel: 017 - 3011-3203.

Após o rito será servido o já legendário Ajeum de Carneiro na Cerveja de nossa Yabassê, Yamandi, a Elaine de Oxum.

Aguardamos a todos por lá!

Kawô Kabiesilê!!

Obashanan

Abaixo, imagens e vídeo de nosso rito de 2010, com a presença de ilustres Pais e Mães de santo de vários estados do Brasil, em especial, do Pai Patrocínio de Ossaim, decano da Umbanda com 98 anos de idade, além da apresentação dos tambores sagrados e a imprescindível gira de Caboclos.

Abertura Assistência com pais e mães espirituais


Representação de Ayan Agalú. Ao fundo, assentamento de Xangô no centro da roda



Alabês entrando para a louvação com Batás (à frente, o alabê Anibal no tambor das divindades guerreiras, o Gangan. Atrás, alabê Rafael no tambor das Yabás, o Isa.




Alabê Adriano com o Agogô. Atrás, Alabê Aratiara com o Xequerê, dois dos instrumentos mais importantes da orquestra ritual.



Filha espiritual do TEV levando nas mãos o símbolo de Ayan e carregando o tambor Elékotô, o tambor silencioso dos Orixás Funfun.




Alabê Itayabara (de costas, tocando o tambor Yan, o tambor das divindades reais), Brenda e Obashanan, recebendo ritualisticamente o símbolo de Ayan para dar início ao rito de louvação.



Assentamento de Ayan e de Xangô




Invocação de Ayrá através dos caminhos de Ifá.



Presença dos Caboclos confirmando o rito.

Alabês retornando os Batás para o Inzo ao final do rito.










Friday, April 29, 2011

Fernando Mendes - Menina do Subúrbio - 1977









Fernando Mendes - Menina do Subúrbio - LP - EMI - 1977


1.Menina do Subúrbio; 2.Amor imortal; 3.De que vale o céu; 4.Debaixo da ponte; 5.Impossível viver sem você; 6.Festa de arromba; 7.Jurema, Jureminha; 8.Lua gorda; 9.Naná; 10.O preço da ilusão; 11.Quero ser escravo seu; 12.Tadinha; 13.Você só me faz sofrer; 14.Vou trocar você por mim;


O compositor do grande hit dos anos 70, a música "Cadeira de Rodas", que vendeu mais de um milhão de cópias era, como quase todo artista dos anos 70, um umbandista. Sendo assim, a maior parte dos cantores do período faziam suas homenagens às divindades de sua devoção em forma de músicas, ou mesmo transformando pontos de terreiro - a exemplo de Rui Maurity - em grandes sucessos fonográficos. É o caso aqui. Fernando Mendes faz um pout-pourri belíssimos de vários pontos muito conhecidos. A banda que o acompanha é excelente e o cantor que ficou estigmatizado como cantor brega e de mal gosto durante anos canta muito bem , chegando a emocionar em alguns momentos. Pena que não enveredou mais pelo estilo. Seria respeitadíssimo no meio.

Para ouvir a faixa Jurema, Jureminha, clique abaixo:














Thursday, April 28, 2011

Ary Lobo - Eu vou prá Lua - 196?










Ary Lobo – Eu vou pra lua - Compacto duplo – RCA Victor - Prov. 1960

01.Eu vou pra lua (Luiz de França – Ary Lobo) Baião; 02.Castigo da chuva (Antonio Soares) Baião; 03.Saravá Cosme e Damião (Anisio Nazario – Nelinho) Baião; 04.Rojão nacional (Rosil Cavalcante);


Mais um disco de Ary Lobo, esse grande cantor de nosso baiões. Esse é um compacto raríssimo que possui uma curiosidade: apesar de ter sido feito para tocar em 45 RPM, colocaram um adaptador no meio dele, para ser tocado em 33 RPM. Bem, curtam o som...


Para ouvir a faixa 03, "Saravá, Cosme e Damião", clique abaixo:









Wednesday, April 27, 2011

Caminhos Abertos, Axé! - 2010




Caminhos Abertos, Axé! - Valéria Barbosa - CD - Independente - 2010


01. Rua Aberta; 02.Retalho de Mulambo; 03.Companhia de Zé; 04.Abre Caminho; 05.Coberto de Palha; 06.São 4 guerreiros; 07.Beijo de Oxá; 08.Filho do Vento; 09.Oxum Apará; 10.Ayé de Nanã; 11.Yá Ogunté; 12.Mãe de Ori do Mundo; 13.Tuiuiu na Mata; 14.Proteção de Arranca Toco; 15.Roda de Preto das Almas; 16.Conselho de Vô Ambrósio; 17.Vovó Catarina; 18.Som do Afro-canto;

Valéria Barbosa gentilmente nos mandou uma cópia de seu disco, uma produção bem simples, mas que esconde um grande trabalho (percebe-se que foi realizado com muito carinho), um dos raros discos de música de inspiração Umbandista atuais que realmente vale a pena ser escutado com atenção. Em que pese alguns pequenos problemas, tais como a falta de informação na capa (não se sabe quem são os músicos, por exemplo) ou alguma oscilação na afinação das vozes (coisa de produtor apressado) e algum problema na frequencia do baixo, ainda assim, o disco é maravilhoso, a começar com a qualidade da gravação, um dos discos de música de terreiro mais bem gravados que já ouvi.

Valéria canta bem, com alegria e disposição e é acompanhada por músicos maravilhosos, em alguns momentos chegam a ser brilhantes, principalmente o naipe de vocalistas, que em vários momentos lembram os Tincoãs. Uma pena que não haja informação do line-up.

Vá em frente, Valéria, queremos mais!!

Para comprar o disco, escreva para valodoci@hotmail.com

Para ouvir a faixa 06 - São 4 Guerreiros, cique abaixo:









Friday, February 18, 2011

LANÇAMENTO DVD - A MÚSICA: MEDIADORA DO SAGRADO - MESTRE OBASHANAN



DVD DUPLO - MÚSICA: MEDIADORA DO SAGRADO - Palestra histórica de Mestre Obashanan no III Congresso Brasileiro de Umbanda do Século XXI.

Neste DVD, Mestre Obashanan revela os mais surpreendentes segredos sobre a música de terreiro, em especial suas origens e de onde provém os códigos de invocação que permite e promove o transe anímico durante um ritual através dos ritmos corretamente percutidos. Divulga mais fundamentos de AYAN, a divindade do tambor e mostra a relação existente entre música e ritual e o poder das invocações através da palavra cantada.

DVD Duplo, lançamento da Ayom. Para adquirir o seu, escreva para ayom77@gmail.com ou ligue (11) 3499-6152 ou (11) 9761-8058

DVD 1 - Palestra - 01. Abertura; 02.O que é música?; 03.Ancestrlidade das religiões afro-brasileiras; 04.A Enéada e as Musas; 05.As Valquírias e os 9 filhos de Oyá; 06.O Pentagrama Celeste; 07.Expressões da música; 08.Notações Musicais; 09.A Tábua musical de Ifá; 10.Comunicação por meio dos Tambores sagrados; 11.Textos de Ayan;

DVD 2 - Ritmos Sagrados - 01.Apresentação dos Alabês; 02.O Canto da Terra; 03.Tambores do Sudeste; 04.A Invocação de Hamunya revelada; 05.Tambores do Sul; 06.Canto para Oxaguian; 07.Tambores de encantaria; 08.A Conexão entre a Umbanda esotérica e a encantaria; 09.Tambores indígenas; 10.Perguntas da Platéias; 11.Tambores e Sacrifício; 12.Canto do Amanhecer;

Excerto do DVD 1 - Palestra:




Excerto do DVD 2 - Ritmos sagrados:





Para adquirir o seu, escreva para ayom77@gmail.com ou ligue 3499-6152 ou 9761-8058.

Wednesday, February 16, 2011

NOVO LOGO!


Este é o novo Logo da da Ayom.
Ele resume nossa intenção de promover um encontro da espiritualidade, da cultura e da música de terreiro e de outras manifestações com os estudiosos, leigos e amantes de tudo que se refere aos cultos Afro-brasileiros.
Esta é nossa nova marca e com ela vem por aí muitas supresas por esse ano!
Ayan Irê Ô! Saravá! Kawô Kabiesilê!
Obrigado a todos!
Ayom produções:
Obashanan (William de Ayrá)
Yatacyara (Vivian de Oyá)